A Interferência reforça a proposta formativa  com um conjunto de formações num misto de ensino presencial e de ensino à distância, para vos ajudar a cultivar as ideias e ferramentas de criação e expressão artística.

Em baixo poderás encontrar mais informações sobre quais os cursos com inscrições abertas assim como mais mais informações relativas aos horários, preços e os formadores.

!! INSCRIÇÕES FECHADAS !!

mais info sobre aulas particulares ou novas datas e turmas:
 geral@interferencia.pt

 

Estás em casa fechado cheio de ideias mas sem saber como as pôr em prática? 

Os Cursos Interferência serão online, em formato de ensino à distância, com grupos pequenos para promover um ensino mais próximo e individualizado. Temos novas formações, e formadores, para todos os gostos, desde a composição à electrónica, passando pela história da música ou produção áudio. Vem com a vontade e nós dar-te-emos as ferramentas 

Novos tempos, novos palcos, novas necessidades de comunicação.

Exige-se, cada vez mais que o artísta seja multifacetado.
No sentido de promover uma adequada e eficiente adaptação a estes tempos, a INTERFÊRENCIA criou um conjunto de pequenos cursos que visam
dar ferramentas ao artista para que este se torne mais autónomo e conectado às novas tecnologias.

Tens uma comichão que não te deixa ficar no sofá durante muito tempo?
Por norma aparece nos tempos livres? Naqueles momentos em que estás a ver uns vídeos de gatinhos? É demasiado tempo livre, não é? Essa comichão espalha-se pelo corpo?
Nós temos a solução para isso! As Oficinas Acirrantes são momentos pedagógicos pontuais sobre variados temas e abordagens artísticas, de uma forma prática.

!! INSCRIÇÕES FECHADAS !!

mais info sobre aulas particulares ou novas datas e turmas:
 geral@interferencia.pt

FORMADORES

Manuel Brásio
Composição
Formação Musical

Músico e criativo ligado à composição e sound design para concerto, teatro, dança, e cinema, baterista e percussionista freelancer; professor e formador nas áreas da criatividade musical, sócio sobrevivente da AISCA, sócio fundador e coordenador de actividades da Interferência juntamente com José Tiago Baptista; colabora ainda no projecto FabLab Porto de João Barros e na equipa da Digitópia/Casa da Música. Licenciado em Composição na ESMAE; Mestre em Multimédia: Música Interactiva e Design de Som pela FEUP; Compositor editado pelo Mic.pt; colabora frequentemente com o Teatro do Montemuro; escreveu “Bom dia Sophia” para oboé solo, uma encomenda da RTP/ANTENA2 para o Prémio Jovens Músicos 2018; Foi ainda director artístico, compositor e intérprete de SUPRAHUMAN obra em digressão da Interferência em 2019 com o apoio da DGARTES, Centro Nacional de Cultura, IPDJ e Antena 2.

Mais info: www.manuelbrasio.xyz

Ricardo M. Vieira
Electrónica + Programação Musical = Sistemas Digitais Interactivos

Compositor, Sound Designer e Escritor. Licenciado em Jazz – variante Piano na ESMAE – Escola Superior de Música e Artes do Espectáculo do P. Porto. Estudou teatro no Serviço Educativo da Companhia Profissional de Teatro Visões Úteis. Frequentou o curso Laboratório de Práticas Textuais
Experimentais na Faculdade de Letras da Universidade do Porto. Foi Sound Designer e Compositor para a peça do Serviço Educativo do Balleteatro “Labirinto dos Disparates” em 2015, para as peças das turmas do Serviço Educativo do Visões Úteis entre 2016 e 2018. Actualmente integra a equipa da
Digitópia da Casa da Música. É professor de electrónica e programação musical na INTERFERÊNCIA. É
membro do projecto Melífluo – vencedores do concurso Jovens Criadores 2017 na categoria de Música, e
ainda do Instant Ensemble – Ensemble de Composição em Tempo Real do Porto.
Mais info: www.ricardomvieira.com

João Grilo
Improvisação

Luxemburgo, 1993. João Grilo é um pianista e compositor, que desenvolve trabalho em vários géneros musicais, influenciado pela música clássica contemporânea, o jazz e a música eletrónica. Para além disso mantém uma actividade que relaciona a música com as outras artes tendo co-criado a sonoplastia da peça de dança ‘Coexistimos’ de Inês Campos, ‘Fios de Terra’ com a companhia DEMO e tendo trabalho no seu mais recente projecto ‘HVIT’ com o videasta Miguel C Tavares. Está a tornar-se um músico cada vez mais ativo na cena musical portuguesa e colabora com artistas nacionais e internacionais como Christian Meaas Svendsen, Demian Cabaud, Pedro Melo Alves, João Hasselberg, Jo David Meyer, Quarteto Contratempus.

Lançou dois álbuns de composições originais, ‘Como se chama o teu disco?’ (2016) e ‘HVIT’, 2019 com o carimbo Porta-Jazz. Participou como intérprete noutros álbuns como ‘Aparicion’, de Demian Cabaud, ‘More Fun Please’, Pal Nilson Love, e ‘Voa a Pé’ de Retimbrar.
Estudou piano jazz na ESMAE (Porto) e tem um mestrado em Composição e Performance (NoCom – The Composing Musician – um mestrado resultante de uma colaboração de três escolas de música Escandinavas – RMC em Copenhaga; NMH em Oslo; e HSM em Gotemburgo).

 

José Tiago Baptista
Composição
Análise Musical

Licenciado em Educação Musical na ESE – Porto e licenciado em Composição na ESMAE. Mestre em Ensino da Música – Variante Composição e Análise Musical na Universidade de Aveiro. Professor de Análise e Técnicas de Composição na Academia de Música de Viana do Castelo e  de Teoria e Análise Musical na Escola Profissional Artística do Alto Minho (ARTEAM) e na Escola Profissional Artística do Vale do Ave (ARTAVE). 
Em 2014 compôs, juntamente com Bruno Ferreira, Leonor Abrunheiro e Jorge Portela, uma ópera intitulada Auto da Índia, e estreada no FITEI – Festival Internacional de Teatro de Expressão Ibérica. 
Em 2015, juntamente com Nelson Nunes, criou o “1º Seminário de Iniciação à Música Electroacústica de Lagos”, realizando a segunda edição no ano seguinte. 
Em 2017 foi distinguido com o 1o prémio no 4º Concurso de composição para crianças da APEM. 
Sócio fundador da INTERFERÊNCIA.

 

Luís Neto
Áudio

Licenciado em Produção e Tecnologias da Música na Escola Superior de Música, Artes e Espetáculo e pós-graduado no European Postgraduate in Arts in Sound no KASK Conservatorium.

Membro fundador e baterista da banda Shell From Oceanic, com a qual edita os álbuns “Ambivalence” (2014) e “How to Let Go” (2018), servindo de engenheiro de som e produtor no o último.

Em 2016, completa um estágio nos Estúdios Sá da Bandeira, onde cumpre a função de técnico assistente.

Em Março de 2017, abre um estúdio de produção musical onde trabalha como produtor e engenheiro de som freelancer. Durante esse período colabora frequentemente com o produtor Pedro Ricardo, tendo misturado e masterizado faixas para os projetos Pedro & Jenna Camille (Wolf Music Recordings) e Hai (1980). Desde 2018, desenvolve trabalho no contexto de arte sonora/composição, colaborando frequentemente com o artista visual Daniel Martins (AALTAR System). Em 2020, lança a turva, em colaboração com Alexandre Alagoa, que consiste numa editora audiovisual focada na produção e publicação de arte experimental.

Afonso Barros
Vídeo

Licenciado em cinema e audiovisual na Esap – Escola Superior Artística do Porto, Afonso Barros trabalha como videografo freelancer desde 2016. Interessado especialmente pela realização /direção de fotografia em vídeos musicais e curtas-metragens, tendo algumas marcado presença em festivais como o FEST ou o Curtas de Vila do Conde; aventurou-se pela primeira vez no cinema documental no mini doc – “Indagatio”- de Maurício Maia em 2017. Faz actualmente parte dos projectos musicais de post-metal Bardo e ULFBERTH, como guitarrista.

Catarina Freitas
Design Gráfico

Catarina Freitas é mestre em Design Gráfico, pela ESAD — Escola Superior de Artes e Design em Matosinhos. Actualmente designer no estúdio Mecha, também trabalhando como Freelancer para diversos clientes, terminou recentemente 2 anos de trabalho na ESAD—idea, Centro de Investigação em Arte e Design, onde trabalhou em projetos em parceria com instituições como a Casa do Design, Câmara do Porto ou Câmara de Matosinhos. Defensora da importância da partilha de informação, acredita que o conhecimento do mundo não tem valor, excepto quando agimos para transformá-lo, e é isso que pretende, com este curso, fazer. Há cerca de 5 anos começou a interessar-se pela vertente educacional do Design Gráfico. Focada nesse mesmo tema, a sua tese de Mestrado – que tem como título “Graphic Design as a Subject, a Method and a Practice” – materializou-se na criação de um conjunto de recursos, pensados para integrar e auxiliar o início do estudo (independente ou formal) do Design Gráfico. Esse projeto foi feito através da convicção de que existe uma necessidade crescente por alternativas em como receber e entender o mundo. O trabalho de entender o ensino que com o seu projeto tentou fazer é, não o de solucionar e definir, uma vez por todas, a maneira como o design deve ser tratado (nas escolas ou fora delas), mas antes problematizar estas conexões e estas dificuldades particularmente sentidas em Portugal, num tempo em que continuamos a lutar por desenvolver novas e mais inovadoras maneiras de compreender o design e a sua disciplina.

Tiago Abreu
Marketing Digital

Músico e gestor, formou-se em Violino na Escola Superior de Música e Artes do Espetáculo no Porto e em Gestão na Faculdade de Economia do Porto. Fez também o Curso de Mestrado em Marketing na mesma faculdade, para além de várias formações em Marketing Digital e Gestão de Projetos Culturais. Como músico participou em vários projetos dos mais variados estilos musicais, desde o rock à música eletrónica, tendo dado concertos por todo o país e no estrangeiro, em países como Rússia, França, Suíça e Marrocos. Foi líder do naipe das cordas nos projetos Operação Oliveira e Operação Big Bang (integrado na Guimarães Capital Europeia da Cultura 2012), dirigidas pelo maestro Tim Steiner. Desenvolveu a sua carreira de docente de violino, tendo lecionado na Escola de Música de S. Martinho do Campo, Academia de Música de Vizela, Escola Vocacional de Música da Sociedade Filarmónica Gualdim Pais e Conservatório de Música de Felgueiras.
Atualmente é Diretor Administrativo do Conservatório de Música de Felgueiras.

Tuca Silveira
Web Design

Músico e gestor, formou-se em Violino na Escola Superior de Música e Artes do Espetáculo no Porto e em Gestão na Faculdade de Economia do Porto. Fez também o Curso de Mestrado em Marketing na mesma faculdade, para além de várias formações em Marketing Digital e Gestão de Projetos Culturais. Como músico participou em vários projetos dos mais variados estilos musicais, desde o rock à música eletrónica, tendo dado concertos por todo o país e no estrangeiro, em países como Rússia, França, Suíça e Marrocos. Foi líder do naipe das cordas nos projetos Operação Oliveira e Operação Big Bang (integrado na Guimarães Capital Europeia da Cultura 2012), dirigidas pelo maestro Tim Steiner. Desenvolveu a sua carreira de docente de violino, tendo lecionado na Escola de Música de S. Martinho do Campo, Academia de Música de Vizela, Escola Vocacional de Música da Sociedade Filarmónica Gualdim Pais e Conservatório de Música de Felgueiras.
Atualmente é Diretor Administrativo do Conservatório de Música de Felgueiras.

Daniel Martinho
Introdução aos Sintetizadores Modulares

 

Frequentou a Academia de Música de Espinho (curso de Guitarra Clássica) e, posteriormente, em 2006, ingressou na ESMAE (Escola Superior de Música, Artes e Espetáculo), onde concluiu o curso de Composição. Aqui, teve a oportunidade de trabalhar com vários compositores de renome no panorama nacional e internacional.

Foi nomeado Jovem Compositor Residente da Casa da Música  (CdM) em 2010, tendo sido estreadas três obras: pelo Quarteto de Cordas de Matosinhos, pelo Remix Ensemble CdM e pela Orquestra Sinfónica do Porto CdM.

Teve obras encomendadas por vários agrupamentos musicais portugueses  (e.g. Banda Sinfónica Portuguesa, Sond’Ar-te Electric Ensemble, ensemble MR SC & Wild Bones Gang, Yamaha Tuba Duo, Doppio Ensemble, entre outros). Para além de Portugal, várias das suas obras foram estreadas/apresentadas nos Estados Unidos da América, Japão, China e Suíça.

Tem obras gravadas em CD pela Casa da Música (O Estado da Nação) e pela Octavia Records Inc. (Yamaha Tuba Duo – Live in Japan).

Foi membro de júri de concursos de composição (Prémio do Concurso de Composição Século XXI e Concurso Nacional de Composição BSP).

Compõe, ainda, música para teatro, filmes, e realiza arranjos/orquestrações para diferentes formações instrumentais. Paralelamente ao seu trabalho como compositor, exerce atividade docente no âmbito da Análise e Composição Musical.

Nos últimos tempos, tem desenvolvido a sua vertente de instrumentista/compositor focando a sua performance na criação em tempo real, com sintetizador modular. Em dezembro de 2018, lançou o seu primeiro álbum a solo, Genealogy (o primeiro de dois volumes).

Nuno Loureiro
Interfaces musicais de produção e performance musical

Nascido em 1992, no Porto. Frequentou a licenciatura em Som e Imagem na Escola das Artes da UCP (2013) e seguiu a especialização de Música Interactiva e Sound Design do Mestrado em Multimédia da FEUP (2018). 

Toca com Fugly e Solar Corona, assinando a solo como Lorr No. Faz parte do colectivo portuense Favela Discos, onde editou “Learning Exercises on How to Move On”, em 2016, enquanto Mada Treku, “Songs for Paula Vol. 1”, em 2019, e, em 2020,”Alergia”, enquanto Lorr No. Integra também a banda mutante Milteto, arma especial da Favela Discos, e a OGBE.

À luz do seu trabalho com o colectivo Favela Discos, participou nos espetáculos “Desilusão Óptica”, apresentado no Museu de Serralves, e “2013: O Regresso”, no Rivoli.

Recentemente, em conjunto com André Coelho, programa uma plataforma de curadoria musical chamada Ramal, com residência mensal no Ferro Bar, no Porto. 

+++ https://cargocollective.com/nunovloureiro

Clara Saleiro
Interpretação de música contemporânea

 

Flautista portuguesa especializada na interpretação de música contemporânea, Clara Saleiro é membro fundador de Noviga Projekto, duo de flauta e percussão; do projeto AUS; e flautista desde 2016 do Vertixe Sonora Ensemble (Espanha). Estreia todos os anos dezenas de obras de compositores com quem trabalha diretamente e participa regularmente em festivais internacionais de música.

 

Iniciou os estudos musicais na Academia de Música S. Pio X de Vila do Conde. O seu percurso académico segue-se por instituições como a Artave, ANSO – Metropolitana, Universidade de Aveiro e Royal Academy of Music, em Londres. Especializou-se em música contemporânea no estúdio particular de Stephanie Wagner (Remix Ensemble) e na Kunstuniversität Graz, na Áustria, onde realizou uma pós-graduação com o Klangforum Wien.

A presente temporada inclui a participação na Lucerne Festival Academy, nos festivais DME, VIII MIHL Sons-XXI, Circular, Guimarães Jazz, bem como concertos em Espanha, Hong Kong, Portugal e Suíça.

www.clarasaleiro.com

HISTÓRIA DOS CURSOS INTERFERÊNCIA

Podemos afirmar que a vertente pedagógica foi uma grande impulsionadora da fundação da INTERFERÊNCIA e é hoje, sem dúvida, um dos nossos maiores desafios no futuro que se avizinha.
A INTERFERÊNCIA procurou, desde cedo, avançar com a dinamização de conferências, palestras e seminários didácticos – como os Encontros de ATC e o projecto ANTICATACRESOFONIA
A criação de aulas mais regulares acabou por ser um passo natural. Iniciamos com aulas particulares de Composição e Tecnologias de Produção Musical e com os Cursos de Preparação para as provas do Ensino Superior paralelamente na Academia de Música de Viana do Castelo e na FabLab Porto em Janeiro de 2017 e até então temos preparado jovens para as mais diversas escolas superiores de música pelo país e pontualmente na Holanda e em Inglaterra.

Neste último ano lectivo 2019/2020 decidimos alargar horizontes e criar um conjunto de formações nas áreas artísticas e técnicas basilares para a nossa produção interna com módulos de 30horas em

Formação Musical; Introdução ao Som e à Técnica Áudio; Análise Musical; Electrónica + Programação Musical = Sistemas Digitais Interactivos; Composição; Atelier de Arranjo e Transcrição; Oficina de Criatividade Musical Anticatacresofonia.

Paralelamente a esta actividade formativa regular iniciámos também os Workshops Interferência – em que o objectivo passa por criar a oportunidade para jovens músicos e demais interessados terem a oportunidade de privar com artistas/técnicos/professores e outros especialistas em várias áreas: sessões com músicos, compositores, produtores áudio, advogados e contabilistas para orientarem formações que vão desde o exercício aquando da prática instrumental, som ao vivo e mistura ou ainda questões relacionadas com direitos de autor e o infinito mundo da contabilidade para artistas freelance. 

Entretanto, como resposta a esta obrigatoriedade de ficar em casa, avançamos para a criação dos Cursos Interferência Onlin

Estúdio Audiovisual da Fablab Porto / Rua António Carneiro nº 302 - Porto